Que é Sir Walter Raleigh, da música "I’m So Tired"?

Na canção “I’m so Tired” de autoria de Lennon, e fantásticos backing vocals de Paul, nos deparamos com o seguinte verso: “…although I’m so tired I’ll have another cigarette and curse Sir Walter Raileigh. He was such a stupid git”. Pois bem, a tradução literal resulta em: “embora eu esteja tão cansado fumarei outro cigarro e amaldiçoarei Sir Walter Raileigh. Ele foi um tremendo babaca”.

Afinal, quem na verdade foi Sir Walter Raileigh? Por que Lennon o amaldiçoaria?

Bem, alguns fatos devem ser considerados:

1. Para uma grande maioria de fãs ou apreciadores do trabalho dos Beatles, isso tem pouca relevância;

2. Fãs mais engajados acreditam que a pessoa em referência na verdade pouca importância tem no cenário da canção em si, visto que as mesmas acreditam que o nome “Sir Walter Raleigh” é apenas e tão somente uma marca refinada de fumo para caximbos e se contentam com tal lógica. Acreditam que Lennon tenha feito a referência apenas a uma marca e nada mais.

Na realidade, e aí é onde reside a relevância histórica tanto da canção como a referência histórica que a mesma possui. Lennon cita o nome Raleigh por, entre outras coisas, ter sido ele o responsável pela introdução do tabaco do Novo Mundo (mais precisamente, proviniente da Colônia de Virginia), no Velho Mundo (mais precisamente Inglaterra), e daí para o mundo. Podendo se concluir que dessa introdução nasceu o cigarro. Onde se justifica a colocação de Lennon.

Sir Walter Raleigh é também citado como sendo um “git” (babaca, idiota etc.), por ter sido um notório “puxa-saco” da Corte Inglesa. São famosas as passagens que narram como Sir Walter, de forma galantesca, atirou sua capa (manto) sobre uma poça de lama, para que a Rainha Elizabeth I não sujasse os pés. Diz-se também sobre o mesmo teria utilizado um diamante para rabiscar versos na vidraça de uma janela para chamar a atenção da Rainha. Quaisquer que tenham sido os motivos, Walter Raleigh acabou ganhando o título de “Sir” apesar de sua origem camponesa.

Outro fato sobre Walter Raleigh: logo após a introdução do tabaco no Velho Mundo, ganhou a gratidão dos médicos de todas as partes da Grã-Bretanha.

Tantos obséquios renderam-lhe uma patente da Rainha dando-lhe permissão para explorar a Ilha Roamoke (atualmente, o estado da Carolina do Norte, nos EUA), exploração que resultou em fracasso e consequente comprometimento de imagem perante a Coroa Britânica. Chegou a vender seus direitos de patente em 1558 para uma empresa mercante, após reconhecer sua derrota.

Outros fatos que marcaram sua decadência:

· Tornou-se ateu em 1590 para poder ter acesso aos mesmos lugares frequentados pelos regentes do país (um grande negócio na época, pois só frequentavam tais lugares aqueles que fossem da mesma religião do regente).

· Seduziu uma dama de honra da Rainha, chamada Bess Throckmorton, o que levou ambos a serem trancafiados na Torre de Londres por um curto tempo e em celas separadas, e quando libertados, por força de várias cartas por ele enviadas à Rainha sempre a enaltecendo e a lisonjeando, foram obrigados a se casar.

· Depois de casado foi morar na propriedade de Walter Raleigh, a qual em tempos mais felizes, costumava a ela se referir como tendo sido “extorquida do Bispo de Salisbury através de uso inescrupuloso da influência real”. Foi expulso de tal propriedade pelo próprio Bispo em 1602.

· Foi acusado de conspirar contra o novo Regente, James I. Novamente foi enviado à Torre de Londres, tendo sido esse um dos pontos mais baixos de sua vida (tentou até o suicídio, mas até nisso fracassou).

· Fora da Torre de Londres novamente, em troca de promessa de encontrar ouro na América do Sul sem perturbar os espanhóis, empenhou expedição fracassada, tendo contraído uma febre que quase o levou à morte, e tendo seu filho assassinado pelos espanhóis.

· Voltou à Inglaterra somente para ser executado em 29 de outubro de 1618.

Em tempo: em homenagem a personagem tão pitoresco, a cidade mais importante do chamado “Triangulo de Pesquisa da Carolina do Norte”, compreendendo Durham e Chapel Hill chama-se Raleigh.

Isso é apenas um demonstrativo de como um nome ou uma referência numa canção dos Beatles podem levar a uma viagem por pelo tempo e espaço. E, em especial nessa canção, talvez ao início da história do cigarro, que muito tem a ver com John Rolfe e sua esposa Pocahontas. Mas isso fica para uma outra oportunidade!

Por Sergio Machado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s